Arquivo mensal abril 2014

poradmin

EDITAL DE CONVOCAÇÃO – ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO – ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA – SINDICATO DOS FARMACÊUTICOS DO ESTADO DO TOCANTINS – SINDIFATO. A Presidente do Sindicato, em uso das suas atribuições legais e estatutárias, CONVOCA todos os Farmacêuticos do Estado do Tocantins, sindicalizados ou não, especificamente aqueles que laboram no setor do comércio varejista e atacadista de medicamentos, para participarem da ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA a ser realizada nos seguintes datas e locais: EM ARAGUAÍNA/TO, no dia 7 de maio de 2014, no auditório do Conselho Municipal de Saúde, localizado Rua Primeiro de Janeiro, Nº 1584, Centro, com primeira chamada às 16 horas; EM PALMAS/TO, no dia 13 de maio de 2014, na sede do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Tocantins, localizado, à 501 Sul Avenida Teotônio Segurado, lote 19, em Palmas/TO, com primeira chamada às 19:30 horas; EM GURUPI/TO, no dia 15 de maio de 2014, no auditório da CDL, localizado na Avenida Maranhão, 2429, Centro, com primeira chamada as 19:30 horas. Para tratarem da seguinte ordem do dia: a) leitura do edital convocatório; b) elaboração, discussão e aprovação da Pauta de Reivindicações a ser remetida à representação patronal, visando efetivação da CCT-2014/2015; c) votação para a aprovação da aludida pauta; d) autorização para que a Diretoria do Sindifato possa firmar acordo administrativo, com a assinatura da CCT, com ou sem mediador e na sua inviabilidade, conceder poderes para que seja ajuizado o competente DC; e) Compor Comissões de Negociação; f) deliberar sobre as contribuições e mensalidades; g)assuntos gerais da categoria. Não havendo número legal de presentes na primeira convocação, a segunda se realizará 30 minutos após, já com qualquer número de presentes. As deliberações tomadas nesta Assembleia prevalecerão para todos os fins de direito, e a ela se vinculam os trabalhadores sindicalizados ou não à entidade convocante. Palmas/TO, 01 de maio de 2014. Leia Ayres Cavalcante – Presidente.

poradmin

CRF-TO e curso de Farmácia do CEULP/Ulbra realizam atividades de alerta contra a automedicação

Dias 05 e 06 de maio estudantes e farmacêuticos atenderão gratuitamente para orientar a população dos riscos do uso indevido de medicamentos; ação faz parte do Dia Nacional pelo Uso Racional de Medicamentos e acontece em todo o Brasil

Dia 05 de maio é considerado o “Dia Nacional pelo Uso Racional de Medicamentos”. Para celebrar a data e levar a população a uma reflexão sobre a automedicação, o Conselho Regional de Farmácia (CRF-TO), em parceria com o curso de Farmácia do CEULP/ULBRA, promoverá de 05 a 06 de maio, a “1ª Semana de Conscientização sobre o Uso Responsável de Medicamentos”.

O evento será realizado na segunda-feira, 05/05, a partir das 9h, em Taquaralto, e na terça-feira, 06/05, às 9h, na Assembleia Legislativa. Na oportunidade, farmacêuticos e acadêmicos de Farmácia prestarão atendimento gratuito à comunidade, explicando sobre os riscos de hipertensão e diabetes, realizando testes de glicemia capilar e aferição de pressão. Além disso, darão explicações sobre a importância do uso correto dos medicamentos e do acompanhamento de um profissional farmacêutico.

As atividades contam com o apoio do Sabin Laboratório e a empresa LocEventos. Patrocínio da Centrofarma Distribuidora Farmacêutica, Atons do Brasil Distribuidora de Produtos Hospitalares e Secretaria Municipal de Saúde.

“Esta é a primeira vez que fazemos esta ação, dessa grandeza, no Tocantins. Ao oferecer serviços gratuitos,nossa intenção é alertar a sociedade sobre os perigos da automedicação e promover a integração entre o profissional e a sociedade”, pondera a presidente do CRF-TO, Marttha Ramos.

Para a coordenadora do curso de Farmácia, Profª Grace Pelissari, “esse tema têm se tornado um assunto bastante debatido entre os profissionais da saúde e a própria comunidade. Assim ofereceremos dois dias de palestras com profissionais que possuem experiência sobre o assunto”, afirma.

A inscrição deve ser realizada na Coordenação do curso de Farmácia, localizada no prédio III, e levar dois quilos de alimentos não perecíveis. Os estudantes de Farmácia que participarem das atividades receberão certificado, ao final do evento.

Automedicação

A mobilização é realizada nacionalmente e o maior conceito a ser difundido é que ninguém deve usar medicamentos sem orientação de um farmacêutico, mesmo que tenha receita ou que o medicamento não exija a prescrição médica.

Segundo o Conselho Federal de Farmácia (CFF), no Brasil, como em outros países, os medicamentos se apresentam como o principal agente causador de intoxicações em seres humanos. Em 2011, eles responderam por 29. 179 (29,5%) de todos os casos notificados pelo Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). E o número vem crescendo. Em 2010, foram 27.710 casos ou 26,85%.

PROGRAMAÇÃO

SEGUNDA-FEIRA, 05/05 – 9h às 12h
Local: Praça no centro de Taquaralto
Ação de combate a automedicação

19h
Local: No plenário da OAB/TO
Palestra: Interação Medicamentosa – Dra. Eliane Aparecida Campesatto
Ficha de Inscrição
21h30 – Coquetel de Abertura

TERÇA-FEIRA, 06/05 – 9h às 12h
Local: Assembleia Legislativa
Ação de combate a automedicação

14h às 18h
Tema: Atuação farmacêutica na prática clínica
Palestrante: Sarah Alves Mendes

19h30 – Palestra
Tema: Aspectos legais da Prescrição Farmacêutica – Sarah Alves Mendes

campanha

poradmin

Confira os cursos de pós-graduação/ MBA da FGV com inscrições abertas no Tocantins

Confira os cursos de pós-graduação/ MBA da FGV com inscrições abertas no Tocantins e aproveite as vantagens especiais para quem é parceiro da IB Consulting/FGV.

FGV. Referência para sua carreira. Referência para sua vida.

“Única instituição de ensino superior brasileira entre as 100 melhores do mundo no ranking do jornal “The New York Times”, que lista as 150 universidades que formam os profissionais preferidos na hora de contratar”.

 “A universidade brasileira mais bem colocada em um ranking mundial das melhores instituições de ensino superior para quem quer se tornar um CEO das maiores empresas do planeta. Segundo a revista britância Times Higher Education (THE”).

EMAIL PARCEIROS MBA GERAL 01

poradmin

Confira como ficou o cronograma para agilizar pagamento das progressões definido pelo Estado

A Secretaria da Administração do Estado do Tocantins, manifestou por ofício que efetuará o pagamento das progressões dos servidores do quadro da saúde, informando o mesmo ocorrerá em 03 parcelas, a primeira parcela no dia 1º de junho, seguindo com as outras parcelas em julho e agosto do corrente ano.

Para isso foi definido um cronograma de execução para concessão de progressões, ficou acordado que com quinze dias úteis, contando a partir do dia 10 de abril, a Sesau emitirá arquivos de servidores aptos até 2014, além do relatório das progressões atrasadas dos anos anteriores. Estas serão analisadas para posterior validação das mesmas.

Outro ponto acertado é que ao receber os arquivos, a Secad retornará os mesmos validados a Sesau num prazo de 48 horas, somente dos servidores aptos. Quanto aos atrasados, Secad emitirá em vinte dias.

Por último, a Secad se comprometeu de fechar relatórios mensais dos servidores aptos a progredir por conclusão do Estágio Probatório.

Confira aqui neste link  o cronograma firmado com o Governo.

poradmin

Presidente do SINDIFATO se reúne com secretário de Estado da Administração

A Presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do Tocantins-SINDIFATO, Léia Ayres, se reuniu na manhã desta terça-feira, 15, com o secretário da Administração do Estado do Tocantins-SECAD, Lúcio Mascarenhas e com outras entidades sindicais.

Na ocasião foi cobrado novamente a publicação da Portaria que autoriza o pagamento das progressões dos servidores públicos do Quadro da Saúde do Poder Executivo do Tocantins. “Estou com a demanda de vocês em mãos e vou despachar hoje (15.04) com o governador Sandoval Cardoso”, disse o secretário.

Segundo a presidente do Sindifato, Léia Ayres, ficou acordado com o secretario da administração que os pagamentos das progressões devidas, será parcelado em duas vezes, a primeira parcela entrará na folha de maio e a segunda na folha de junho.

poradmin

Realinhamento das Tabelas Financeiras

Sindicatos e Associações abaixo assinados, representantes das categorias de servidores públicos do Quadro Geral, ADAPEC, RURALTINS, NATURATINS, UNITINS, SAÚDE, Médicos Legistas, Peritos Criminais, Policiais Militares e dos servidores públicos absorvidos pela Administração Pública do Estado do Tocantins conforme a lei estadual nº 583/1993, vem a público:

 1. Declarar que consideram VÁLIDO o realinhamento das tabelas financeiras dado pelo Governo do Estado às diversas categorias de servidores públicos no início do mês de abril deste ano, por meio de medida provisória. No entanto, enfatizar que NÃO CONCORDAM COM O TRATAMENTO DESIGUAL E DISCRIMINATÓRIO COM AS DEMAIS CATEGORIAS QUE NÃO FORAM CONTEMPLADAS com o realinhamento na tabela financeira salarial. As medidas provisórias em questão ferem o princípio constitucional da isonomia e o Governo erra, mais uma vez, em não reconhecer o trabalho de categorias essenciais para o desenvolvimento do Estado do Tocantins;

 2. Exigir que as categorias de servidores acima mencionadas também sejam VALORIZADAS, independente do cargo e função que ocupam. Atendendo às reivindicações de suas bases, os Sindicatos e Associações querem que o Governo do Tocantins ALTERE AS LEIS QUE TRATAM DOS PLANOS DE CARREIRAS para que as categorias representadas, que ainda não foram atendidas, sejam beneficiadas;

 3. Cobrar ainda, que o Governo cumpra, nos prazos estabelecidos, todos os acordos firmados com os servidores públicos, que preveem o pagamento das progressões e data-base;

 Por fim, informamos aos servidores públicos e à sociedade em geral, que as reivindicações apresentadas nesta nota foram comunicadas oficialmente ao Governador Sandoval Lôbo Cardoso nesta quinta-feira, dia 10, por meio do Ofício Conjunto nº 007/2014 protocolado no Palácio Araguaia. Todas as informações relacionadas às tabelas financeiras pretendidas para cada categoria estão anexas ao Ofício. Cabe ressaltar ainda que os dirigentes classistas solicitaram, no documento protocolado, uma audiência com o governador para tratar do assunto e aguardarão o agendamento da reunião até o próximo dia 23.

 

CLEITON LIMA PINHEIRO

Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO)

 

MANOEL PEREIRA MIRANDA

Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Tocantins (SINTRAS-TO)

 

ISMAEL SABINO DA LUZ

Sindicato dos Profissionais de Enfermagem do Estado do Tocantins (SEET-TO)

 

LÉIA AYRES CAVALCANTE

Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Tocantins (SINDIFATO)

 

GLEDSTON VAZ VESPÚCIO

Sindicato dos Peritos Oficiais do Estado do Tocantins (SINDIPERITO)

 

JANICE PAINKOW

Sindicato dos Médicos do Estado do Tocantins (SIMED-TO)

 

ANTÔNIO CORSINI DE MELO NETO

Associação dos Oficiais da PM/BM do Estado do Tocantins (AOPMETO)

 

RAIMUNDO SULINO DOS SANTOS

Associação dos Militares da Reserva e de seus Pensionistas do Estado do Tocantins (ASMIR-TO)

 

MARCONI PEREIRA DE SOUSA

Associação dos Sub-Tenentes e Sargentos da PM/BM do Estado do Tocantins (ASSPMETO)

 

JOÃO VICTOR M. DE FREITAS

Associação dos Praças Militares do Estado do Tocantins (APRA/TOCANTINS)

 

NOTA CONJUNTA ASSINADA PELOS SINDICATOS

OFÍCIO PROTOCOLADO NO PALÁCIO

poradmin

Perigos da automedicação

Não são poucas as pessoas que se tornam adeptas habituais de medicamentos ditos ‘inofensivos’ em busca de respostas rápidas para problemas corriqueiros de saúde. E correm riscos, pois a automedicação, na maioria das vezes, é perigosa. Embora alguns medicamentos apresentem, de fato, poucos riscos, e sua compra é facilitada por estarem ‘do lado de fora’ do balcão da farmácia, é preciso cautela.

 Tal conjunto de fatores acaba predispondo ao uso até mesmo abusivo de algumas drogas. Todavia, como nenhuma é de fato isenta de ameaças, eventualmente acontecem adversidades. Como esse tipo de acontecimento fica “diluído” entre o grande número de pessoas que tomam tais medicamentos, há uma falsa sensação de segurança. Fármacos são drogas que agem em vários sistemas do corpo. Não são apenas produtos.

No Brasil, de acordo com a IMS Health, consultoria especializada em dados de saúde, o item mais comercializado em 2012 foi o descongestionante nasal Neosoro (cloridrato de nafazolina), que contém até página em redes sociais como o Facebook (“Clube dos viciados em Neosoro”).

Embora não esteja associado a nenhuma enfermidade grave como o câncer, o descongestionante pode aumentar a carga sobre o coração. Por isso, deve ser utilizado com precaução em pacientes que usam determinados medicamentos ou que apresentam deficiências cardíacas – hipertensão, arritmias, disfunções no coração. Não é livre de riscos e não deve ser empregado por períodos prolongados sem orientação médica.

Os dez mais

Depois do Neosoro vem Puran T4 (hormônio tireioidiano levotiroxina sódica), Salonpas (analgésico e anti-inflamatório salicilato de metila), Ciclo 21 (anticoncepcional, genérico etinilestradiol + levonorgestrel), Microvlar (anticoncepcional, etinilestradiol + levonorgestrel), Buscopan Composto (analgésico e antiespasmódico, escopolamina), Rivotril (anticonvulsivante e ansiolítico, clonazepam), Dorflex (analgésico, cipirona ou orfenadrina), Glifage (antidiabético metformina) e Hipoglós (pomada para assaduras).

Também são bastante usados a Neosaldina (combinação de mucato de isometepteno, dipirona e cafeína, utilizada no alívio das dores de cabeça), Cialis (disfunção erétil, tadalafila,) Dipirona sódica (analgésico e eficaz na febre) e Metoclopramida (náuseas e vômitos).

Soluções a curto prazo

O ansiolítico Rivotril é uma das medicações mais consumidas no Brasil, mas não se encontra nas listas das mais usadas no mundo. Sua fama se deve, entre outros fatores, à propaganda feita sobre o produto, ao conhecimento médico a respeito do mesmo e aos seus efeitos. É usado no tratamento da ansiedade e da insônia. Seus principais concorrentes são o Lexotan (bromazepam), Frontal (alprazolam) e Olcadil (cloxazolam).

Já a obesidade se tornou uma epidemia mundial e preocupa os órgãos de saúde pública, sendo considerada uma doença multifatorial. O aumento da oferta de alimentos processados, o estresse e o sedentarismo estão entre outros fatores causadores do problema.

Em geral, as mulheres são consumidoras em potencial de medicamentos para emagrecer, nunca estão satisfeitas com o corpo e desejam sempre perder um ou dois quilos. No Brasil, sendo um país tropical onde existe uma exposição maior do corpo, estar em forma é uma questão de aceitação social.

O Brasil é um dos países onde o consumo de moderadores de apetite bate recordes. Existem três principais grupos de medicamentos para emagrecer: anorexígenos, sacietógenos e inibidores de absorção de gorduras. Os anorexígenos inibem o apetite, e têm em sua composição substâncias conhecidas como anfetaminas (que podem ser perigosas). O segundo grupo age no estímulo da sensação de saciedade: o indivíduo sente fome, mas com uma porção menor de alimentos fica satisfeito.

Já o terceiro atua na inibição da absorção intestinal de cerca de 30% da gordura ingerida, entretanto só ajuda se a pessoa come pouco (se come muito, os 30% que deixam de ser absorvidos podem não ser suficientes para a perda de peso).

Trata-se de mais uma consequência do estilo de vida atual e de uma sociedade que quer soluções milagrosas e de curto prazo. Para controlar a ansiedade e perder peso, por exemplo, o ideal é você mudar seu estilo de vida, adequando sua alimentação e realizando atividade física periódica. O problema é que a maioria ou não quer ou não consegue impor tais alterações em seu cotidiano, optando por uma alternativa que ofereça, supostamente, um resultado mais rápido. Aí, quando querem perder peso, correm para alguma medicação ‘facilitadora’“.

Em relação aos ‘emagrecedores’ de uma maneira geral, há risco de gerarem efeitos colaterais cardíacos, como arritmias, além de predisposição ao desenvolvimento de quadros depressivos ou de psicose, entre outros. O Xenical é bastante procurado para uso ainda, pois até pouco tempo podia ser comprado sem receita. Recentemente, porém, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) obrigou a necessidade de receita para compra. As vantagens do Xenical são mais do ponto de vista médico, dado o perfil de efeitos colaterais menos graves do que de outros medicamentos utilizados para emagrecer. Seus sinais se referem mais ao próprio trato digestivo, como diarreia, flatulência e dores abdominais.

Dependência química

Quando há dependência química, o medicamento começa a fazer parte do metabolismo do indivíduo. Geralmente, são medicamentos ou drogas ilícitas que conferem sensação de prazer e bem-estar agindo no Sistema Nervoso Central, mas com grandes danos ao organismo. A retirada de uma droga desse tipo promove sintomas característicos de abstinência e deve ser tratado como doença.

Algumas medicações podem se relacionar com algum grau de dependência química, como os opiáceos e opioides (morfina, dolantina e meperidina). Já outras, como antidepressivos, antipsicóticos e esteroides, trazem o perigo de sintomas muitas vezes graves com sua parada abrupta, o que não caracteriza dependência química.

Não deve ser confundida a dependência com o fenômeno de tolerância, observado com os benzodiazepínicos (famosos ‘faixas preta’). Neste caso, com o passar do tempo e uso do fármaco, o paciente vai necessitando de doses cada vez maiores para conseguir o mesmo efeito que antes ocorria com porções menores da medicação. Isso ocorre por alterações químicas na membrana da célula.

Existem dois tipos principais de dependência química: a que se refere a drogas lícitas e a relacionada a drogas ilícitas. Apesar de ser um aspecto importante, a diferença não é apenas de cunho legal. No caso das drogas lícitas, o efeito entorpecente existe em graus variados, mas tende a ser menor do que o das drogas ilícitas. Como exemplo, dificilmente alguém comete um crime devido ao uso de ansiolíticos (medicações que podem causar dependência com uso prolongado).

Já o uso de cocaína e similares mais facilmente se incorpora a comportamentos inadequados ou criminosos.  Não é uma questão de legalidade. O álcool (substância lícita) também se associa a atitudes perigosas. A automedicação com substâncias que causam dependência é mais rara, pois a compra destas requer receita médica especial. Isso não impede, mas limita bastante o problema.

Problemas emocionais

O indivíduo liga a sensação de conforto ao seu uso e, por isso, deixá-lo provoca quadros de ansiedade, sensação de vazio, dificuldade de concentração e mal-estar. É a dependência psicológica agindo. O nível educacional parece ter influência significativa, porém há outros gatilhos.

Muitas pessoas com nível elevado têm o hábito da automedicação. Achar que a pessoa que atende na farmácia sabe diagnosticar e orientar é um erro gravíssimo. Muitas vezes nem é farmacêutico e, mesmo este, apesar de seu conhecimento em farmacologia, não tem formação médica.

Importante: existe um quadro psiquiátrico clássico chamado de hipocondria, no qual as pessoas acreditam ter uma doença grave. Nestes casos, pode haver automedicação ou não. Muitas vezes, procuram diversos médicos, pois nenhum consegue ‘descobrir’ sua doença.

Num país carente como o Brasil, com saúde pública deficiente e planos de saúde caros e sem padrão de atendimento, o estado psicológico é muito importante. É como se as condições do paciente melhorassem só porque ele está ‘tomando alguma coisa’. É o chamado efeito placebo, ou seja, mesmo que o fármaco não seja indicado corretamente ou na dose certa, o simples fato de estar ingerindo já produz um efeito positivo.

poradmin

Reajuste de 5,6% nos preços dos medicamentos preocupa os idosos

O governo federal autorizou, ontem, que as indústrias farmacêuticas e distribuidoras possam fazer um reajuste de até 5,68% nos preços dos medicamentos regulados pelo governo. A medida foi publicada na última quinta-feira (27), no Diário Oficial da União, e já tira o sono de muita gente que depende de alguns medicamentos. A aposentada Sônia Maria Serravalle, que chega a usar cinco tipos diferentes de remédio  de uso contínuo, já calcula o aumento da conta do mês.

“Meu gasto chega a ser mais de R$ 200 por mês e eu nem tenho a quem recorrer. Alguns desses remédios eu poderia pegar no posto de saúde, mas é difícil achar e eu não posso ficar sem tomá-los”, lamenta a aposentada, que precisa dos medicamentos para controle da pressão alta, coração, estômago e colesterol.

Segundo informações do Ministério da Saúde, a regulação vale para mais de nove mil medicamentos, sendo que 40% deles estão na categoria nível três, ou seja, possui uso de menor recorrência como os remédios controlados. Para as pessoas que o reajuste vai fazer muita diferença, ou que possuem doenças crônicas, um dos dirigentes do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado da Bahia (Sindifarma), José Jorge Silva Júnior, sugere o cadastro em programas do Governo Federal que dão os remédios de graça.

“Mas para conseguir é preciso preencher uma série  de requisitos. Enquanto isso, os pacientes podem recorrer aos programas federais já adotados por farmácias particulares ou até mesmo às farmácias populares, que oferecem condições mais acessíveis”, recomenda Jorge Silva.

Mesmo assim, a situação não agradou muito a população. “Acho um abuso, pois o trabalhador mal ganha para comer, e ainda tem que comprar remédios que muitas vezes são caríssimos. Eu até uso um para pressão alta, mas o valor do meu é razoável em vista de muitos que ouço falar por aí”, critica a assistente social Rita Antunes.

poradmin

Atenção Farmacêuticos: A Contribuição Sindical dos Profissionais Liberais vence no dia 30/04

O Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Tocantins, vem lembrar a todos(as) os(as) farmacêuticos(as) de solicitarem às empresas  que a contribuição sindical de 2014, obrigatória, anual e correspondente a um dia de trabalho de cada trabalhador recolhida agora em abril de 2014, segundo a Consolidação das Leis Trabalhistas- CLT,  seja direcionada ao SINDIFATO.

As guias de contribuição sindical serão disponibilizadas na sede deste SINDIFATO, ou poderão solicitar por e-mail contato@sindifato.org.br , informando o CNPJ, endereço, CEP, quantidade de farmacêutico na empresa, além da remuneração do profissional.

Serão emitidas por contador, empregador ou funcionário representante da empresa empregadora de acordo com as instruções expedidas pelo Ministério do Trabalho (ART. 579/580 E 583 DA CLT).

Os empregadores que descontarem o referido valor no salário do farmacêutico e não efetuarem o recolhimento ou recolherem a outro sindicato ficarão obrigados, sem prejuízo ao farmacêutico, a recolher 10% (dez por cento) do valor da contribuição devida em favor do SINDIFATO, além do valor integral da contribuição sindical descontada em folha de pagamento do farmacêutico.

Após a efetivação do desconto, as empresas deverão remeter ao Sindicato dos Farmacêuticos, no prazo de 30 (trinta) dias, a relação nominal dos empregados que tiverem desconto, com a informação de montante recolhido.

Não sendo efetuado o recolhimento na data predeterminada será cobrada multa de 2%, acrescidos de juros de mora de 1% ao mês.

Lembramos que ao fazer essa solicitação, você farmacêutico(a) ajuda ao SINDIFATO na manutenção das suas atividades sindicais e administrativas.